Minha Opinião: Streets of Rage Remake, o Fangame que superou o original!

sorremake

Olá para todos! Desculpem a demora nas postagens. Hoje irei falar do Streets of Rage Remake, um fangame gratuito feito por um grupo independente de desenvolvedores que levou 8 anos para ser finalizado e que mistura tudo que há de positivo nessa série clássica da Sega e ainda adiciona mais conteúdo de ótima qualidade, o que certamente o torna a melhor versão e supera a franquia original do Mega Drive.

Primeiro, é preciso falar da história por trás desse projeto. Como eu falei antes, o remake foi desenvolvido por programadores independentes que se juntaram e fundaram a Bombergames. Esses fãs estavam aguardando há muito tempo por alguma nova versão da amada série de beat ‘em up dos anos noventa. Mas a Sega não demonstrava (e continua não demonstrando) qualquer interesse em reviver a velha franquia. Cansados de esperar, eles decidiram por a mão na massa e começaram a desenvolver o fangame. Isso começou em 2003 com apenas uma pessoa que era conhecido pelo nickname “BoMbErLiNk”.

Temerosos que a Sega toma-se alguma atitude jurídica em relação ao uso de sua propriedade intelectual, eles enviaram uma carta formal para a Sega of America explicando o propósito por trás do projeto. Não houve qualquer resposta por parte da Sega e o projeto seguiu normalmente. Houve muito hype e a espera durou 8 anos e meio, mas o jogo foi finalizado e liberado para download no blog oficial do projeto em abril de 2011.

No entanto, um dia após a liberação do jogo na internet, os desenvolvedores receberam uma visita inesperada dos advogados da Sega que solicitaram a imediata remoção do jogo e dos links de download do site sob a alegação de infração de direitos autorais. Eles não tiveram escolha a não ser remover todo o conteúdo para download do site e encerrar o projeto. Houve muita revolta na internet e o barulho foi tão grande que a Sega teve de se pronunciar sobre o ocorrido. Eles disseram basicamente isso: “Sega está comprometida em oferecer suporte a qualquer fã que tenha interesse em nossos jogos e, quando possível, nós o fazemos ao envolvê-los em teste de betas e outros tipos de desenvolvimento, marketing ou oportunidades de pesquisa. Entretanto nós precisamos proteger nossos direitos de propriedades intelectuais e isso pode resultar em nós termos de solicitar que nossos fãs removam imagens online, vídeos ou jogos em certas circunstâncias.”. Ou seja, a Sega não demonstrou qualquer preocupação em relação ao projeto inicialmente, mas assim que ele foi finalizado eles resolveram usar o martelo do banimento. Isso tudo poderia ter sido evitado se eles tivessem dialogado logo no início.

Falando do ponto de vista legal, eles não estavam errados em defender seus direitos de propriedade intelectual, pois se eles deixarem qualquer coisa passar eles podem abrir precedentes para que futuras disputas sobre tais propriedades acabem em derrota. No entanto, eu, como estudante de administração, também vejo isso como uma oportunidade perdida, pois a qualidade do jogo é inegável. Se eles ao invés de banir tivessem adotado o projeto poderiam ter lucrado bastante com o mesmo e ainda teriam podido oferecer oportunidade aos desenvolvedores, pois eles demonstraram um talento incrível. O jogo não usa qualquer tipo de engenharia reversa ou linhas de código extraídas dos jogos originais. Tudo foi feito do zero para replicar com a maior fidelidade possível aquilo que foi feito no Mega Drive e o resultado foi impressionante. A Sega perdeu talentos, dinheiro e tempo ao não investir no projeto. Felizmente, as poucas horas que o jogo esteve disponível para download foram suficientes para que dezenas de milhares pudessem fazer o download e hoje em dia é relativamente fácil encontrar o jogo para download. Basta pesquisar no Google!

sonic em crise
A Sega pisou na jaca novamente!

Outras companhias que adotaram jogos de fãs obtiveram relativo sucesso em suas empreitadas. Um exemplo foi o fangame Street Fighter vs Megaman que foi adotado pela Capcom e lançado oficialmente em consoles.

street-fighter-x-mega-man-divulgacao

Enfim, deixando de lado essa história quase trágica, o que podemos falar do jogo em si? Existem muitas novas adições no remake em relação ao original. É tanto conteúdo que é difícil listar tudo em um só parágrafo, mas vou tentar resumir tudo para não alongar o artigo desnecessariamente.

Os gráficos do jogo são muito semelhantes aos do Streets of Rage 3, mas existem novos efeitos visuais como explosões e sangue. O sangue é opcional e pode ser desabilitado nas opções. Obviamente, o jogo possui resolução muito superior aos originais, mas pode ser jogado em resoluções menores também. Os sprites dos personagens foram atualizados e estão mais detalhados e novos inimigos com sprites únicos foram adicionados. Existem muitas fases e rotas alternativas que podem alterar o rumo do enredo e os cenários variam bastante. Há fases na cidade, em estradas, na selva e muitas outras localidades. Eu preciso mencionar que as cutscenes são feitas a mão e possuem um estilo único.

A parte sonora também foi atualizada. O jogo utiliza versões remixadas das músicas clássicas criadas por Yuzo Koshiro e, apesar de não serem melhores que as originais, ainda assim são muito boas. As vozes também foram atualizadas e novas vozes foram adicionadas.

Não há muito o que se falar do enredo. Mr. X e seu sindicato tomam controle da cidade e da polícia, os heróis se organizam e enfrentam os inimigos de mãos limpas para salvar a cidade. É basicamente o mesmo que o original, mas há múltiplos finais dependendo da rota escolhida. Também há uma linha de enredo única para uma personagem chamada Rudra que foi criada para o remake e cujo final só pode ser visto ao se jogar por uma rota específica e sozinho.

Há múltiplos níveis de dificuldade e também há a opção de se jogar com um parceiro controlado pelo computador. O jogador pode escolher antes de iniciar a partida como o personagem controlado pelo computador irá agir: agressivo, passivo, materialista, estúpido ou balanceado.

A coisa mais importante a se mencionar são as opções destraváveis de jogo. Existe uma loja dentro do jogo. Toda vez que o jogador finaliza o jogo ele recebe uma quantidade de dinheiro baseado no número de itens que ele coletou ao longo do jogo. Itens como barras de ouro, sacos de dinheiro e novos itens que são derrubados aleatoriamente por inimigos quando morrem como notas de dinheiro e pérolas são somados ao final e compõem o total que o jogador receberá. Entre as opções destraváveis estão novos modos de jogo como Survival e Boss Rush, vários códigos de trapaça como vidas infinitas e imunidade a projetéis que podem ser ligados ou desligados pelo jogador quando ele quiser, versões alternativas dos personagens jogáveis baseados em cada jogo da série (Blaze possui três versões diferentes e com movimentos únicos), novos personagens jogáveis como o grande vilão da série, Mr X, e duas personagens completamente novas e únicas (Elle e Rudra) e, por fim (ufa!), o SORMaker, um aplicativo que dá completo suporte à modificação do jogo (mods, yeah!) e expande a experiência a níveis quase infinitos, pois cada mod trás mais coisas novas ao jogo (como se ele já não fosse quase infinito).

Pois é, mesmo resumindo ainda assim é muita coisa pra mencionar. Como vocês podem ver o valor replay do jogo é praticamente infinito. As inúmeras adições deixam aquilo que já era excelente no console da Sega numa experiência ainda melhor e mais divertida do que nunca. Alguns de vocês podem estar se perguntando se há suporte para jogar online. Bem, inicialmente a funcionalidade online era um dos objetivos, mas eles não conseguiram fazer com que o jogo rodasse de maneira estável em partidas online (sem lag) e acabaram desistindo da ideia e focando apenas em melhorar o jogo em si. Pode parecer chato, mas o fato é que a melhor maneira de se jogar esse tipo de jogo é com um ou vários amigos por perto e rindo e se divertindo com a pancadaria. É um problema muito pequeno para derrubar a qualidade deste título.

Finalizando, eu posso dizer com toda a confiança que Streets of Rage Remake é a versão definitiva desse clássico dos anos noventa e todos que são fãs devem jogar. Eu lhes garanto que será uma experiência ótima e que lhe renderá horas e mais horas de diversão e porrada!

Fontes pesquisadas: Retroplayers/Destructoid/Blog Oficial Bombergames

E você caro leitor? Já jogou este game? O que achou? Deixe sua opinião aí nos comentários e lembre-se de nos seguir nas redes sociais!

Anúncios

Deixe sua opinião!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s